: : FALE CONOSCO : : Dúvidas Frequentes : : WEBMAIL
Secretaria > Detalhe
Mapa do Site
Página Inicial
Agenda do Secretário
Login
Quem Somos
Ensino Fundamental e Médio
Educação Infantil
CEUs
Orientações Curriculares
Biblioteca Pedagógica
Cadastro de Demanda
Memória Técnica Documental
Memorial do Ensino Municipal
Servidores da SME
Glossário de Siglas
SP2040
Indique
Responsabilidade Socioambiental
Brincadeira de menina ou brincadeira de menino?

Imprimir

O Centro de Educação Infantil (CEI) Jardim Verônia, localizado no bairro de Ermelino Matarazzo, zona leste de São Paulo, vem desenvolvendo um projeto que por meio do brincar, da literatura e de atividades dirigidas, possibilita às crianças superarem a cultura que separa as brincadeiras entre aquelas que são de meninos e às que são de meninas.

Segundo a coordenadora pedagógica Rosangela de Morais, “a unidade começou a desenvolver esta ação quando no Projeto Especial de Ação (PEA) no ano 2011, os professores propuseram discutir sobre a diversidade humana e um dos temas estudados foi a questão de gênero”. Os Projetos Especiais de Ação (PEAs) são instrumentos de trabalho elaborados pelas unidades educacionais da Rede Municipal, que define ações pedagógicas e estudos temáticos a serem desencadeadas no decorrer de um ano letivo.

Rosangela relata, que “em 2012, a Universidade de São Paulo-Leste (USP-Leste), juntamente com a Universidade Federal de Lavras-UFLA e Universidade de Campinas (UNICAMP), fizeram parceria com a Secretaria Municipal de Educação (SME) da cidade de São Paulo e ofereceram o curso ‘Tecendo Gênero e Diversidade Sexual nos Currículos da Educação Infantil’. Nesta oportunidade motivados pelas discussões do PEA, cinco professores do CEI, passaram nove meses estudando o assunto, trazendo reflexões para a unidade e realizando práticas sobre o tema”.

No trabalho com as crianças, os professores mediam o momento das brincadeiras livres, intervindo quando percebem que elas estão reproduzindo comportamentos que reforçam as desigualdades entre homens e mulheres, ou valorizam atitudes que promovam o tratamento igualitário entre os sexos.

Outra ação, diz respeito à realização de jogos dirigidos nos quais as crianças precisam refletir sobre como eles estão entendendo a problemática da identidade de gênero. Em uma dessas atividades os professores solicitam às crianças que escolham entre cadeiras azuis ou rosas e partir destas escolhas, conversam sobre o porquê delas. A coordenadora pedagógica diz que “com o tempo as crianças vão desconstruindo a ideia de que azul é de menino e rosa é de menina ou que brincar de carro é coisa de menino e brincar de boneca é de menina”.

Os professores realizam rodas de histórias e a partir delas refletem sobre o tema com as crianças. A coordenadora pedagógica complementa que “alguns livros de literatura infantil tem ajudado nessa prática, como, ‘Faca sem ponta, galinha sem pé’ (Rute Rocha – Ed. Salamandra), ‘Diversidade’ (Tatiana Belinky – Quinteto Editorial) e ‘O livro da família’ (Todd Parr – Panda Books)”.

Envolvendo a comunidade - Antes de iniciar as atividades dos projetos com as crianças, os pais foram comunicados e a coordenadora pedagógica explicou para eles, que “as brincadeiras não determinam o jeito de ser homem ou mulher, nem influenciam na construção do desejo sexual dos pequenos, eles precisam de liberdade de brincar do que quiser para se desenvolverem de forma saudável e autônoma”.

O CEI Jardim Verônia continua a desenvolver este projeto, e Rosangela tem consciência de que “mudar a cultura é algo a ser feito em longo prazo e demanda mais investimento em ações e reflexões que ajudem não só as crianças a evitar reproduzirem as desigualdades de gênero, como também aos professores e toda comunidade escolar que devem caminhar juntos na superação de qualquer tipo de preconceito”.

Para este ano, a unidade pretende realizar encontros de formação com os pais para esclarecer mais sobre o tema e continuar o seu aprofundamento nos horários de estudo dos professores.


04/02/2014 - 09:51