: : FALE CONOSCO : : Dúvidas Frequentes : : WEBMAIL
Secretaria > Projetos > Informática Educativa > TECNOLOGIA ASSISTIVA
Mapa do Site
Início
Equipe
Legislação
Histórico
Agenda

 TECNOLOGIA ASSISTIVA

RECURSOS TECNOLÓGICOS ACESSÍVEIS

   

Os princípios inclusivistas apresentam desmistificações de preconceitos e incapacidades ainda existentes, tornando imprescindível que todos obtenham a mesma possibilidade de acesso às tecnologias. Com base nesta preocupação, A SME SP Informática Educativa oferece a possibilidade de ultrapassar os obstáculos, melhorando a qualidade da educação dos alunos com deficiência e necessidades educacionais especiais, desse modo os profissionais que atuam com esses alunos estão incorporando alternativas para superar barreiras com relação ao usuário e à tecnologia, favorecendo o alcance de objetivos que visem igualar e qualificar as oportunidades de interação e comunicação dos indivíduos.

 

Todos os alunos se beneficiam academicamente e expandem suas oportunidades de sucesso no futuro quando os ambientes educacionais são inclusivos. A sociedade contemporânea encontra-se em constante processo de transformação, fazendo com que as escolas busquem novas maneiras de ensinar e aprender. Desse modo, emerge a necessidade de promover o acesso de pessoas com necessidades educativas especiais ao universo das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) visando o desenvolvimento de suas potencialidades e habilidades.

 

A Informática surge como alternativa em relação à construção do conhecimento de alunos com deficiência ou necessidades educacionais especiais e com o uso do computador é possível realizar um trabalho onde o desenvolvimento de habilidades e competências tenham importantes avanços no âmbito educacional. O papel do professor deve ser de inovador, reflexivo, criativo e parceiro nesse processo, bem como de mediador, que motiva e incentiva os alunos a participarem de projetos.

Educadores devem promover dinâmicas e criar pontes de funcionamento comuns entre as diferentes realidades educativas.

 

O uso da tecnologia na aprendizagem é mais do que objeto, ferramenta, conhecimento técnico e conceitual, pois envolve postura afetiva, social, simbólica e conceitual por parte do docente.

 

Os recursos digitais podem auxiliar nas atividades da sala de aula, laboratório de informática educativa, sala de apoio, sala de recursos, e outros espaços, buscando encontrar caminhos que possibilitem a descoberta de alternativas possíveis de ação para a construção do conhecimento de qualquer educando, com ou sem deficiência. Sabe-se que a informática pode abranger as mais diversas áreas do conhecimento humano e, na instituição escolar, isso pode contribuir para o desenvolvimento e aprendizagem dos que necessitam de apoio.

 

Recursos de acessibilidade ao computador são todo e qualquer item, equipamento ou parte dele, produto ou sistema fabricado em série ou sob medida utilizada para aumentar, manter ou melhorar as capacidades funcionais das pessoas com deficiência.

 

As tecnologias de apoio podem desempenhar papel fundamental no desenvolvimento das pessoas com disfunções neuromotoras graves e incapacidades de comunicação através da fala. No entanto, a utilização de tais tecnologias só será eficaz se houver a adequada informação dos profissionais da educação, familiares e alunos. Importa, assim, tanto quanto investir na aquisição de tecnologias de apoio, assegurar também a qualificação dos profissionais e dos próprios usuários destas tecnologias, para que a sua utilização seja adequada.

 

Os alunos matriculados na Rede Municipal de Educação de São Paulo fazem uso dos softwares de acessibilidade instalados na imagem pedagógica:

Softwares acessíveis instalados nos laboratórios de informática educativa e net book:

·         DosVox: sistema destinado ao uso do computador através do controle de voz - deficiência visual e dificuldades de leitura e escrita

·         MecDaisy: permite a leitura e produção de livros em formato digital acessível - deficiência visual e dificuldades de leitura e escrita

·         Teclado Virtual (Free VK): permite entrada de texto em programas de computador de maneira alternativa ao teclado convencional – deficiência motora

·         Sorobã Virtual: ábaco de desenvolvimento lógico matemático - baixa visão e dificuldades em operações matemáticas

·         Mouse Ocular: operar o computador com os olhos – deficiência motora

·         NVDA: leitor de tela em código aberto – deficiência visual e motora

·         Componentes de acessibilidade do Windows: lupa, alto contraste, configuração de teclado e mouse.

Softwares acessíveis instalados apenas no net book:

·         Editor Livre de Prancha: canais de comunicação diferentes – dificuldades na fala ou sem escrita funcional

·         Eugênio: preditor de texto – dificuldade de leitura e escrita

Softwares acessíveis a serem instalados futuramente:

·         Simon: controle de computador através da voz – deficiência motora

·         Microfênix: controle de computador através da voz ou som – deficiência motora

Softwares acessíveis a serem instalados apenas nas SAAIs:

·         Jecripe: game para estimulação – síndrome de down

·         Holos: estratégias para desenvolvimento global e aprendizagem – deficiência intelectual e dificuldades de aprendizagem

WEB PRÁ TODOS

Os educandos matriculados na RME com limitações sensoriais, cognitivas ou físicas, muitas vezes ficam impossibilitadas de acessar os recursos de hardware ou software que o mundo digital oferece.

Para compensá-las, existem softwares e periféricos que contribuem para proporcionar-lhes uma vida mais independente, com mais qualidade e possibilidades de comunicação e interação com o meio.

Apesar das inúmeras vantagens que tais ferramentas fazem emergir, novos obstáculos são impostos a essas pessoas, dificultando e, até mesmo, impossibilitando acesso aos ambientes virtuais.

Usuários que possuem tais limitações demonstram dificuldade de acesso ou navegação ao interagirem em sites, portais e ambientes virtuais diversos e até apresentam dificuldade de compreensão em relação às informações veiculadas.

O ideal é que os sites indicados por educadores aos educandos demonstrassem qualidade de uso em seu sistema, apontados por qualificadores disponíveis na internet, porém os validadores por mais modernos que sejam não substituem uma validação manual.

Fundamental para a modelagem e validação de sistemas que realmente permitem o acesso e a navegação de modo a comunicar de forma eficaz seu conteúdo é a construção de ambientes acessíveis com boa usabilidade e comunicabilidade.

Essa modelagem oferece aos professores e alunos da RME a possibilidade da construção de um site acessível realizando intercâmbio entre as diferentes áreas do conhecimento com atividades integradas ao currículo da Escola considerando a função social no uso das TIC, objetivando estimular seu uso como recurso pedagógico que traga impactos positivos significativos sobre o aprendizado, permitindo que a inclusão digital reduza as desigualdades de oportunidades na educação conforme previsto no “Programa Mais Educação São Paulo”.

Além de permitir o acesso aos usuários com alguma limitação, é importante garantir uma boa navegabilidade e clareza das informações ali veiculadas, ampliando o entendimento da importância da acessibilidade virtual. Desse modo, educadores e educandos precisam adotar as recomendações de acessibilidade, fazendo com que o site criado possa ser acessado, por um contingente maior de visitantes, utilizando tecnologias móveis ou não.

Para que um site possa ser lido por leitores de tela (NVDA – instalados nos laboratórios de IE das U.E.) é preciso fornecer alternativas ao conteúdo visual. A múltipla e constante expansão de recursos e possibilidades que se encontra no mundo virtual demonstra a necessidade de se utilizar uma descrição clara e significativa condizente com o conteúdo agregado seja para imagem, seja para link ou animações em flash, objetivando uma leitura devida aos usuários com limitações.

Nas páginas visitadas pelos educandos, é preciso que se encontre um redimensionamento de contraste, para facilitar a navegação assegurando legibilidade do site garantindo interpretação correta, clara e simples.

Importante que sites diversos apresentem ambiente que vai ao encontro dos preceitos da qualidade de uso do sistema, garantindo a característica positiva de sua interface deixando de cercear o direito ao acesso, navegação e comunicação a todos os usuários da RME preceitos dos documentos “Elementos Conceituais e Metodológicos para Definição dos Direitos de Aprendizagem” do MEC.

A oportunidade de se utilizar ambientes digitais acessíveis significa que está se dando passos decisivos para a inclusão virtual.

Com essa ação, a IE pretende que professores e alunos, com ou sem deficiência, com ou sem necessidades educacionais especiais imbuídos em um espírito mais solidário, mais justo e ético trabalhem juntos, em prol de um acesso igualitário e autônomo a todos.