N1. NÍVEIS DE ENSINO

 

N1.1 EDUCAÇÃO ESPECIAL

                  (Ver também: C5.1/1)

 

 

            1996     

 

N1.1/1

 

Programa de Educação Especial da Rede Municipal de Ensino. 1988.21p.

Este documento abrange desde a parte legal que criou o Setor de Educação Especial, definindo seus objetivos, até orientações quanto ao Programa já mencionado, com suas características específicas para alunos com dificuldades gerais de aprendizagem. (Sa.029/88). 

 

 

            1997     

 

N1.1/2

 

ENCONTRO. Educação Especial. 1993. 39p.

1. Demonstra atitudes de comportamento dos indivíduos diante de portadores de alguma deficiência. 2. Processo de Integração/Normalização de, através da educação/conscientização, os portadores de deficiência poderem tomar parte na sociedade plenamente. Por isso, avalia-se uma escola de 1º Grau, nesse aspecto, e outros tópicos pertinentes ao assunto em pauta. (Sa.018/93) 

 

 

            1998     

 

N1.1/3

 

(junho/93)  CONTEXTO. I - Educação Especial (considerações sobre a Política Nacional dessa modalidade de Educação); II - Avaliando uma Escola de 1º Grau; III - Funções Múltiplas Compartilhadas (a Ação Supervisora); IV - Os Novos Paradigmas do Mercado de Trabalho; V - A essência da inovação. 1993. 45p.

Este documento abrange textos de vários autores discorrendo sobre os assuntos acima mencionados. (Sa.025/93). 

 

 

            1999     

 

N1.1/4

 

ENCONTRO. As Diferentes Modalidades da EducaçÃo Especial. 1993. 09p.

Esclarecimentos aos educadores para orientá-los na constatação de possíveis deficiências durante observação diária dos alunos. (Sa.059/93). 

 

 

            2000     

 

N1.1/5

 

ENCONTRO. Subsídios para a Formulação da Política Nacional de Educação Especial - Ministério de Educação e do Desporto - Secretaria de Educação Especial. 1993. 24p.

Documento com a apresentação de conteúdo que foi discutido no “Encontro de Trabalho” em Brasília, no período de 15 a 18/6/93, referindo-se à Educação Especial (revisão conceitual); pessoas portadoras de deficiência; de necessidades especiais; processo de integração;reabilitação; os superdotados; análise da situação da Educação  Especial no Brasil, entre outros tópicos. (Sa.071/93).

 

 

            2001     

 

N1.1/6

 

ENCONTRO - Qualidade Humana: Essência das parcerias de sucesso. Deficiência física ou motora. 1994. 12p.

O documento apresenta texto onde aborda a questão das parcerias de sucesso e os fatores que as determinam, destacando-se a qualidade humana. Oferece uma visão sobre “Deficiência física ou motora” trazendo informações básicas e lembretes importantes para quem convive com crianças que apresentam deficiências motoras e deseja ajudá-las de forma construtiva.  (Sa.054/94). 

 

 

            2002     

 

N1.1/7

 

APOIO - Deficiência Mental - Detecção e Intervenção. 1994. 49p.

Curso dirigido a Coordenadores Pedagógicos de EMPGs e EMEIs, Professores de Ensino Fundamental I e Professores de Educação Infantil. Através do texto “Resistência a mudanças pode impedir sucesso”, a questão dos paradigmas é enfocada, entre outras formas, como bloqueador da visão de futuro e de desperdício das oportunidades. Fornece informações sobre avaliação diagnóstica, do aluno, subsídios teóricos de sua deficiência mental envolvendo detecção e intervenção como instrumento de prognóstico educacional. (Sa.061/94). 

 

 

            2003     

 

N1.1/8

 

ENCONTRO -“O direito dos Pais segundo Buscaglia”. “Mudetudo  e aprenda a arte do consenso”. 1994. 07p.

O texto inicial propicia a reflexão acerca do reconhecimento dos direitos dos pais como geradores de forças no processo de educação e reabilitação dos filhos deficientes. Enfoca, a seguir, o consenso como a base do estilo gerencial participativo, apoiando as decisões do grupo.  (Sa.062/94). 

 

 

            2004     

 

N1.1/9

 

ENCONTRO - “Mude tudo e aprenda a arte do consenso”, “Linhas programáticas”; “A legislação que apóia o Ensino Especial no Brasil”. 1994. 43p.

Esse documento apresenta, no primeiro texto, o consenso como base do estilo gerencial participativo como apoio para as decisões do grupo.

A seguir, enfoca as linhas programáticas para orientar o trabalho com a SAPNE, objetivando o desenvolvimento da psicomotricidade, cognição, expressão livre e afetividade. Apresenta, ainda, a Legislação que apóia o Ensino Especial no Brasil. (Sa.065/94). 

 

 

            2005     

 

N1.1/10

 

ENCONTRO. 1994. 20p.

Fundamentação Teórica abordando:

1 - A criança portadora de deficiência mental: sob os pontos de vista da Psicanálise; Piagetiano; Psicopedagogia.

2 - O Processo de Construção da Inteligência da Pessoa Portadora de Deficiência Mental. “A criança constrói sua própria inteligência”.

3 - Qualidade: “Sabedoria e Inovação”. (Sa.097/94). 

 

 

            2006     

 

N1.1/11

 

APOIO. “A Integração da Pessoa Portadora de Deficiência no Contexto Escolar” - Setor de Educação Especial. 1994. 39p.

Curso destinado a Professores de Ensino Fundamental I e de Educação Infantil. Objetivos: sensibilizar os professores de Ensino Regular para lecionar no Ensino Especial; proporcionar subsídios teóricos sobre o aluno portador de deficiência; propiciar momento para analisar a questão da integração escolar de pessoas com “déficits” intelectuais, a partir de experiências de capacitação de docentes e sugestões de trabalho pedagógico para essa finalidade.

Apresentam-se textos relacionados ao assunto em pauta, respectiva bibliografia e resumo final.   (Sa.101/94).

 

 

            2007     

 

N1.1/12

 

Educação Especial - Metodologia para Ensino de Deficiente Físico - 3º Módulo. 1995. 25p.

Curso dirigido a Professores Fundamental I, de Educação Infantil e aos  que já participaram dos dois módulos anteriores. Tem como objetivo propiciar informações sobre o desenvolvimento neuropsicomotor normal e patológico; aprimorar o conhecimento sobre as diferentes abordagens terapêuticas; conscientizar o professor de seu papel como facilitador de integração do aluno deficiente físico na classe regular. (Sa.012/95).

 

 

            2008     

 

N1.1/13

 

Educação Especial. Deficiência Mental x Dificuldades de Aprendizagem. 1995. 08p.

São discutidos, neste documento, pontos básicos que diferenciam a deficiência mental das chamadas dificuldades de aprendizagem. Como fatores fundamentais no diagnóstico dessas dificuldades, são apontados: fatores orgânicos, específicos, psicógenos e fatores ambientais.  (Sa.023/95). 

 

 

            2009     

 

N1.1/14

 

Educação Especial - “Visão das Quatro Áreas de Deficiências: Mental, Auditiva, Física e Visual”. 1995. 36p.

Palestra onde se enfoca o aluno portador de necessidades especiais e sua vinculação com o contexto social real em que vive, a necessidade de se pensar mais nas semelhanças dos modos de aprender e em aproximar a educação especial da  comum para se chegar a um sistema democrático de educação, direito de todos os cidadãos. (Sa.057/95).

 

 

            2010     

 

N1.1/15

 

Ensino de 1º e 2º Graus - Educação Especial - Curso: “O Desenvolvimento Psico-afetivo da criança com Paralisia Cerebral de 0 a 6 anos”. 1995. Módulo IV. 75p.

Curso que faz parte da Capacitação de Professores para o Ensino Especial na área de Deficiência Física. A regência é feita por profissionais da Saúde: fisioterapeuta, terapeuta ocupacional e fonoaudióloga. Dentre  os objetivos: - informar os educadores quanto ao desenvolvimento neuropsicomotor da criança portadora de distúrbio para melhor orientação do trabalho pedagógico; - utilizar recursos lúdicos nas atividades junto à criança; - levantar aspectos de intervenção, através da apresentação dos casos dos alunos. Textos de apoio. Bibliografia. (Sa.120/95).

 

 

            2011     

 

N1.1/16

 

CURRÍCULO E PROGRAMAS.APOIO CURRICULAR INFORMATIVO. 1996.11p.

Esse documento apresenta a organização da SME e as atividades

desenvolvidas por DOT através das Equipes do Programa de Atendimento Integral ao Escolar – PROAINE e do Setor de Educação Especial. (If.003/96)

 

 

            2012     

 

N1.1/17

EDUCAÇÃO ESPECIAL. PREPARAÇÃO DE ALUNOS PORTADORES DE DEFIC. PARA COLOCAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO. 1996. 65 p.

Curso de Capacitação de Professores para desenvolver o Programa de Informação Profissional (PIP). Público Alvo: Professores de EMEI e 1° Grau para Deficientes Auditivos. Objetivos, conteúdos e estratégias são relatados especificamente desde os estágios das EMEls., até de 1ª à 8ª séries, mostrando, gradativamente, as expectativas em relação ao aluno quanto ao desenvolvimento de atitudes e visão sobre profissões. Textos de apoio quanto a ocupações compatíveis à condição de Pessoas Portadoras de Deficiência. (Sa.016/96).

 

 

            2013     

 

N1.1/18

 

CURRÍCULOS E PROGRAMAS. EDUCAÇÃO ESPECIAL. PREPARAÇÃO DE ALUNOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA PARA COLOCAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO. MODULO II. 1996. 82p.

Curso de Capacitação de Professores que aborda a questão da integração da pessoa portadora de deficiência, no mercado de trabalho através de três pesquisas. Apresenta, de forma inovadora, a visão do administrador diante desta questão. (Sa.071/96). 

 

 

            2014     

 

N1.1/19

 

DOT 2 - EDUCAÇÃO ESPECIAL. COLETÂNEA - ULTRAPASSANDO LIMITES: POSSIBILIDADES DO DEFICIENTE FÍSICO. 1996. 96p.

Textos explicativos sobre diversos tipos de deficiência física e mental. Orientações para reabilitação simplificada, apresentação de equipamentos alternativos para adaptação de crianças com paralisia cerebral. Apoio da AACD. (Sa.098/96). 

 

 

            2015     

 

N1.1/20

 

DOT 2 – EDUCAÇÃO ESPECIAL. “FUNDAMENTOS DO MÉTODO NEUROPSICOLÓGICO DE ALFABETIZAÇÃO COM ÊNFASE NA DEFICIÊNCIA FÍSICA”. 1996. 63p.

Coletânea de textos com o objetivo de colaborar com os educadores sobre o assunto referente a Psicopedagogia, sendo uma área resultante da ligação entre a Psicologia e a Pedagogia que estuda o indivíduo a ser educado e os problemas de ordem física por ele apresentados no decorrer de sua aprendizagem. (Sa.101/96). 

 

 

            2016     

 

N1.1/21

 

CURRÍCULOS E PROGRAMAS. COLETÂNEA DE TEXTOS DE EDUCAÇÃO ESPECIAL."TENDÊNCIAS". 1996. 59p.

Este subsídio apresenta uma coletânea de textos que enfoca, entre outros itens, as diretrizes gerais da Política Nacional de Educação Especial do Ministério da Educação e do Desporto, além de outros tópicos pertinentes ao assunto. (Sa.103/96). 

 

 

            2017     

 

N1.1/22

 

DOT CURRÍCULO - COLETÂNEA DE TEXTOS DE EDUCAÇÃO ESPECIAL. "TENDÊNCIAS". 1997. 59p.

Coletânea de textos que apresenta, entre outros assuntos, as Diretrizes Gerais da Política Nacional de Educ. e do Desporto.(Sa.014/97 Reedição Sa.103/96).

 

 

            2018     

 

N1.1/23

 

DOT – POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL. 1997. 66p.

Documento que contém a Política Nacional de Educação Especial, amplamente discutida com representantes de organizações governamentais e não governamentais voltadas para pessoas portadoras de deficiências, de problemas de conduta e superdotadas. (Sl.005/97). 

 

 

            2019     

 

N1.1/24

 

SME – SUPEME / DOT. REUNIÃO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL COM REPRESENTANTES DAS DREMs. -  ABRIL / 1998. 36p.

Assuntos deste documento: Níveis de Ensino: Educação Especial  / Eventos: Reunião - Reuniões / Legislação: Educação Especial – Sala de Atendimento a Portadores de Necessidades Especiais – Sapne. Este documento faz parte de uma série e, neste caso, se refere à reunião com representantes das Drems., visando promover situações para criação de vínculo entre os representantes de Drems. e DOT para a retomada da sistemática de trabalho e propiciar discussão / reflexão sobre a Educação Especial e proposta de trabalho de DOT 2, a partir do contexto histórico do tema na RME.(Sa.041/98 – vol. I / IX).

 

           

2020     

 

N1.1/25

 

SME – SUPEME / DOT. REUNIÃO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL COM REPRESENTANTES DAS Drems. / EMEDA – EMEE / SAPNE –

 MAIO /1998. 48p.

Itens que fazem parte deste trabalho: Níveis de Ensino: Educação Especial / Eventos: Reunião - Reuniões / Legislação: Educação Especial / Sapne. Neste volume, há a retomada dos assuntos abordados na reunião anterior; orientação aos representantes de Educação Especial das Drems. quanto ao encaminhamento de alunos para avaliação nas entidades conveniadas com SME; indicação de Referência Bibliográfica sobre Educação Especial; proposta de situações de reflexão sobre a prática de avaliação em Educação Especial. (Sa.041/98 – vol. II /IX). 

 

 

            2021     

 

N1.1/26

 

SME – SUPEME / DOT. REUNIÃO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL COM REPRESENTANTES DAS DREMS. / EMEDA – EMEE / SAPNE –

JUNHO/1998. 56p.

Tópicos deste volume: Níveis de Ensino: Educação Especial / Avaliação de Aprendizagem – Fracasso Escolar – Educação Especial / Legislação /Sapne/ Linhas Pedagógicas: Construtivismo / Declaração de Salamanca / Eventos: Reunião – Reuniões. Trata-se de retomada sintética dos assuntos abordados na reunião anterior. (Sa.041/98 – vol. III / IX). 

 

 

            2022     

 

N1.1/27

 

SME – SUPEME / DOT. REUNIÃO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL COM REPRESENTANTES DAS EMEDAS. – EMEES. – JULHO/ 1998. 47p.

Assuntos tratados neste volume: Níveis de Ensino: Educação Especial / Legislação: LDB nº 9.394/96 / Regimento Escolar / Eventos: Reunião – Reuniões. (Sa.041/98 – vol.IV /IX). 

 

 

            2023     

 

N1.1/28

 

SME – SUPEME / DOT. REUNIÃO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL COM REPRESENTANTES DAS DREMS.  – AGOSTO / 1998. 10p.

Os itens que constituem este volume são: Níveis de Ensino: Educação Especial / Eventos: Reunião – Reuniões /  Legislação: LDBs. nºs. 4.024/61; 5.692/71; 9.394/96 / Sapne / Declaração de Salamanca em relação à LDB / Constituições Brasileiras – Educação Especial / Eventos: Reuniões.(Sa.041/98 – vol.V/ IX).

 

 

            2024     

 

N1.1/29

 

SME – SUPEME / DOT. REUNIÃO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL COM REPRESENTANTES DAS  DREMS./EMEDAS.-EMEES. – SETEMBRO/1998.32p.

Tópicos que compõem este volume: Níveis de Ensino: Educação Especial / Inclusão do aluno portador de necessidades educativas especiais na rede regular de ensino / papel do professor que atua em Educação Especial / Sapne / Eventos: Reunião – Reuniões. (Sa.041/98 – vol. VI / IX). 

 

 

            2025     

 

N1.1/30

 

SME – SUPEME / DOT. REUNIÃO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL COM REPRESENTANTES DAS DREMS. /EMEDAS - -EMEES. / SAPNE–OUT./98.13p.

Este volume constitui-se dos itens: Níveis de Ensino: Educação Especial / Teoria das Inteligências Múltiplas de Howard Gardner / Papel do Professor que atua em Educação Especial / Eventos: Reunião – Reuniões.(Sa.041/98 – vol. VII / IX).

 

 

            2026     

 

N1.1/31

 

SME – SUPEME / DOT. REUNIÃO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL COM REPRESENTANTES DAS EMEDAS. – EMEES. – NOVEMBRO /98. 10p.

 Assuntos: Níveis de Ensino: Educação Especial / Eventos: Reunião – Reuniões / Quadros Curriculares das EMEDAs. – EMEEs. / Legislação: LDB  nº 9.394/96 / Ensino Fundamental-EMEF/Ensino Supletivo- Suplências.(Sa.041/98-vol. VIII/IX).

 

 

            2027     

 

N1.1/32

 

SME – SUPEME / DOT. REUNIÃO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL COM REPRESENTANTES DAS DREMS.  ( EMEDAS. – EMEES. – SAPNE)  /

NOVEMBRO / 1998. 12p.

Tópicos deste volume: Níveis de Ensino: Educação Especial / Teoria das Inteligências Múltiplas de Howard Gardner / Texto de apoio / Eventos: Reunião – Reuniões. (Sa.041/98 – vol. IX / IX).

 

 

            2028     

 

N1.1/33

 

SME -SUPEME / DOT. 1º ENCONTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL- DREM 11.

1998. 23p.

Assuntos deste documento: Níveis de Ensino: Educação Infantil – Ensino Pré-Escolar   -  Pré-Escola  -  EMEI  /     Profissionais  de  Educação: Coordenadores Pedagógicos – C.Ps. – Professores de Educação Infantil / Eventos: Encontro(s)  / Referenciais Curriculares Nacionais de Educação Infantil Alfabetização / Linguagem Oral e Escrita / Currículo – Proposta Curricular / Brincar / Corpo e Movimento. (Sa.042/98).

 

 

            2029     

 

N1.1/34

 

 

SME – SUPEME / DOT. REUNIÃO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL COM REPRESENTANTES DAS DREMS.-SALA DE APOIO PEDAGÓGICO-SAP.

MAIO / 1998. 18p.

Os itens que este documento abrange são: Níveis de Ensino: Educação Especial/  Eventos: Reunião – Reuniões / Sala de Apoio Pedagógico – SAP. Este evento tem por objetivo propiciar momentos de reflexão com os representantes das Drems. envolvidos no trabalho das SAPs., visando resgatar e repensar seus objetivos básicos. (Sa.044/98 – vol. I /VII). 

 

 

            2030     

 

N1.1/35

 

SME –  SUPEME / DOT. REUNIÃO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL COM REPRESENTANTES DAS DREMS.-SALA DE APOIO PEDAGÓGICO - SAP. JUNHO / 1998.19p.

São abordados neste trabalho os assuntos: Níveis de Ensino: Educação Especial / Eventos: Reunião – Reuniões / Sala de Apoio Pedagógico – SAP / Problemas de Aprendizagem Escolar. (Sa.044/98 – vol. II / VII).

 

 

            2031     

 

N1.1/36

 

SME – SUPEME / DOT.  REUNIÃO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL COM REPRESENTANTES DAS DREMS.- SALA DE APOIO PEDAGÓGICO-SAP. JULHO / 1998. 18p.

Neste documento os tópicos são: Níveis de Ensino:Educação Especial/

Eventos: Reunião – Reuniões / Sala de Apoio Pedagógico – SAP / Problemas de Aprendizagem Escolar / Textos.(Sa.044/98 – vol.III/VII). 

 

 

            2032     

 

N1.1/37

 

SME – SUPEME / DOT. REUNIÃO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL COM REPRESENTANTES DAS DREMs. -SALA DE APOIO PEDAGÓGICO-SAP.

AGOSTO / 1998. 16p.

Assuntos deste documento:  Níveis de Ensino: Educação Especial / Eventos: Reunião – Reuniões / Sala de Apoio Pedagógico – SAP / Problemas – distúrbios de Aprendizagem / Texto de apoio. (Sa.044/98 – vol.IV/VII).

 

 

            2033     

 

N1.1/38

 

SME – SUPEME / DOT. REUNIÃO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL COM REPRESENTANTES DAS DREMs. -SALA DE APOIO PEDAGÓGICO-SAP.

SETEMBRO/1998. 09p.

Assuntos: Níveis de Ensino: Educação Especial / Eventos:

Reunião – Reuniões – Encontro(s) / Sala de Apoio Pedagógico – SAP / Textos de Apoio/ Relatos de Prática dos Representantes nas Delegacias Regionais de Educação -  Drems., dos encontros com professores regentes de SAP(s). (Sa.044/98 –vol.V/VII). 

 

 

            2034     

 

N1.1/39

 

SME – SUPEME / DOT. REUNIÃO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL COM REPRESENTANTES DAS DREMs. -SALA DE APOIO PEDAGÓGICO-SAP.

OUTUBRO/1998. 08p.

Tópicos que este documento abrange: Níveis de Ensino: Educação Especial / Sala de Apoio Pedagógico – SAP / Ficha de Avaliação de SAP do ano  de

1998 / Workshop. (Sa.044/98 – vol. VI/VII). 

 

 

            2035     

 

N1.1/40

 

SME – SUPEME / DOT. REUNIÃO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL COM REPRESENTANTES DAS DREMs. -SALA DE APOIO PEDAGÓGICO-SAP.

NOVEMBRO/1998. 08p.

Este documento apresenta: Níveis de Ensino: Educação Especial / Sala de Apoio Pedagógico – SAP / III Workshop de Educação Especial / Relatos de Prática(s). (Sa.044/98 – vol. VII/VII). 

 

 

            2036     

 

N1.1/41

 

SME – SUPEME / DOT. 1º ENCONTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL- DREM 6.

1998. 19p.

Assuntos contidos neste trabalho: Níveis de Ensino: Educação Infantil – Ensino Pré-Escolar – Pré-Escola – EMEI / Profissionais de Educação:

Coordenadores Pedagógicos – CPs. – Professores de Educação Infantil / Eventos: Encontro(s) / Referenciais Curriculares Nacionais de Educação Infantil / Alfabetização / Linguagem Oral e Escrita / Conhecimento do mundo/ Currículo – Proposta Curricular. (Sa.047/98).

 

 

N1.2 EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS/MOVA/PROALFA

 

 

2037

 

 

N1.2/1

 

CADERNOS DE FORMAÇÃO - 2 - Reorientação do Ensino Noturno - Diretrizes para elaboração de projetos pelas escolas - Série: Construindo a Educação do Jovem e Adulto Trabalhador - Caderno 2. 1991. 67p.

Objetivos:1 - Concretizar as prioridades da administração: democratização da gestão, do acesso e permanência, nova qualidade de ensino e alfabetização de jovens e adultos; 2 - Incentivar a elaboração, pelas escolas, de projetos de reorientação do ensino noturno; 3 - Subsidiar teoricamente os educadores nas discussões sobre ensino noturno, através de uma ação conjunta DOTs/NAEs.  (Pj.001/91).

 

 

2038

 

 

N1.2/2

 

CADERNOS DE FORMAÇÃO - Reorientação Curricular do Ensino Noturno - Construindo um Novo Ensino Noturno - Sistematização dos Projetos elaborados pelas Escolas - Série:Construindo a Educação do Jovem e Adulto Trabalhador Caderno 3. 1992. 69p.

Tópicos Principais: A Política de Educação de Jovens e Adultos Trabalhadores, na gestão 1989/92; Os Projetos: o processo de sistematização, sua abrangência; a construção do trabalho coletivo; A Frente do Funcionalismo: breve histórico; relato de experiências; o Projeto Educação/Saúde; Conclusões e Recomendações: às Unidades Escolares aos Núcleos de Ação Educativa e Recomendações gerais. Anexos: textos, títulos  de fitas de vídeo, documentos oficiais e legais relativos a vários assuntos da área educacional.  (Pj.013/92).

 

 

2039

 

 

N1.2/3

 

Documentação do Programa de Educação de Adultos. 1989. 45p.

Reprodução de documentos elaborados pela Superintendência da Secretaria Municipal do Bem-Estar Social:

- O Processo de Supervisão do Programa de Educação de Adultos da Secretaria do Bem-Estar Social.

- Avaliação do Processo Educativo do Programa de Educação de Adultos.

- Proposta de Conteúdo Programático Mínimo para os Subprogramas Alfabetização e Suplência.

- A Avaliação da Aprendizagem no Programa de Educação de Adultos.

(Sa.002/89).

 

 

2040

 

N1.2/4

 

Relatos de Práticas Pedagógicas - “Alfabetização de Adultos: um desafio pedagógico, político e social”. 1992. 60p.

Informações sobre a idealização e objetivos da Oficina Pedagógica de DOT/EDA - “Produção e Difusão de Textos” - iniciam o subsídio em questão, que apresenta reflexões sobre os Cursos de Suplência, em geral, e sobre o aluno de Suplência I, em particular. Traça considerações sobre o processo de transformação da escola, enquanto a reflexão sobre o processo de alfabetização é desencadeada a partir de uma experiência, vivenciada na oficina, de se explorar, pedagogicamente, uma simples folha de papel. Analisa a importância da atividade de divulgação e do processo de avaliação, e termina com uma rápida análise sobre as pesquisas de Emília Ferreiro. (Sa.009/92).

 

 

2041

 

N1.2/5

 

Cadernos de Formação - Reorientação Curricular do Ensino Noturno - Estudo do Meio e outras saídas para o Ensino Noturno - Teoria e Prática - Série: Construindo a Educação do Jovem e Adulto Trabalhador: Caderno 4. 1992. 103p.

Este documento está estruturado em tópicos, tais como: O Estudo do Meio nas Diferentes Concepções de Educação  - o estudo do Meio na Administração-1989/92. Alguns componentes curriculares no Estudo do Meio. O Estudo da Realidade Local  e o Estudo do Meio: Aproximações e Diferenças. Relatos de Práticas - O Projeto Regionalizado. Depoimentos de Estagiários; Leituras; Relatos de Práticas – O Projeto Regionalizado; Depoimentos dos Estagiários; Leitura, leituras Bibliografia.  A proposta teve a intenção de vivenciar com os profs. uma metodologia de trabalho numa abordagem interdisciplinar. (Sa.015/92).

 

 

2042

 

N1.2/6

 

CONSTRUINDO O CICLO ENSINO FUNDAMENTAL I/92. 1989/92  (TRÊS CADERNOS: A/B/C). 28p.

Breve histórico do MOVA. Este documento objetiva servir como meio de ponderação e trabalho para os professores envolvidos nesse Movimento de Educação de Jovens e Adultos. Apresenta o Projeto do Ensino Fundamental I, que integra a Alfabetização dos Jovens e Adultos e cujos conteúdos escolares são desenvolvidos gradativamente e na interdisciplinaridade.

Aborda o estudo da realidade e os conteúdos que partem de um tema gerador. (SME/ MOVA). 

 

 

2043

 

N1.2/7

 

CONTEXTO. Abril/94. 1994. 35p.

Este documento é constituído das seguintes abordagens:

 Através de textos elucidativos:

I - A aprendizagem do jovem e do adulto.

II - O lugar do analfabetismo no mundo.

III - Quando o aluno é operário de construção.

IV - Participação, valores e essência.

V - Resistência a mudanças para impedir sucesso.

VI - Implantação da Educação Especial.

VII - Características dos alunos “educáveis”. (Sa.098/94). 

 

 

2044

 

N1.2/8

 

SME -  SUPEME / DOT / DOT 1. EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS.

1998. 06p.

Este documento aborda: Níveis de Ensino: Educação de Jovens e Adultos. Trata-se de fichas que apresentam Legislação, descrição, procedimentos, instalação e ações de Cemes, Teleducar, Pré-Profissionalizante e Educação de Jovens e Adultos, Proalfa. A Secretaria Municipal de Educação, por meio da Diretoria de Orientação Técnica, tem proposto alternativas didáticas para estimular o acesso e a permanência na escola de jovens e adultos que não tiveram a continuidade de estudos no ensino fundamental, na idade própria. (If.001/98).

 

 

2045

 

N1.2/9

 

SME – CONAE / DOT / DOT 1. MOVIMENTO DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO – MOVA. EXERCÍCIO DE CIDADANIA. EJA. 2002. 20p.

Os itens englobados neste trabalho são: Níveis de Ensino: Educação de Jovens e Adultos / EJA –Cieja – Mova. O documento traz um breve histórico do Movimento de Alfabetização de Jovens e Adultos - MOVA. Apresenta uma explicação sobre esse Movimento que, sendo parceria entre a Sociedade Civil e SME, procura combater o analfabetismo, oferecendo às pessoas condições para que se vejam inseridas na sociedade como cidadãs participantes e produtoras de bens e de cultura. (Sa.014/02).  

 

 

2046

 

N1.2/10

 

SME – CONAE / DOT / DOT 1. I SEMANA DE ALFABETIZAÇÃO – DE 02 A 06 DE SETEMBRO DE 2002. MOVIMENTO DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. EJA /CIEJA-MOVA. 2002. 22p.

Assuntos: Níveis de Ensino: Educação de Jovens e Adultos / EJA – Cieja  /

Mova. Este documento apresenta, sobre o Mova, os seguintes tópicos: histórico; carta de princípios; projeto político-pedagógico; regimento; Decreto e Portaria (Legislação); a Educação de Jovens e Adultos em tempos de exclusão. (Sa.015/02). 

 

 

          N1.2.1 Proalfa (Programa Municipal de Alfabetização de Jovens e Adultos)

                                                                                                    (Ver também: E3.5.5/34)

     

 

2047

 

N1.2.1/1

 

ENCONTRO - PROALFA - Orientações Básicas. 1994. 100p.

Esse documento trata do Encontro com Supervisores e Encarregados do PROALFA nas DREMs a fim de orientá-los quanto à instalação das classes PROALFA e implementação desse Programa Municipal de Alfabetização de Jovens e Adultos. Objetiva também a discussão da Legislação pertinente ao Programa. Apresenta anexos com modelos de formulários. (Sa.047/94).

 

 

2048

 

N1.2.1/2

 

Educação de Adultos - Capacitação Inicial - PROALFA. 1995. 56p.

Orientações Básicas sobre o Programa Municipal de Alfabetização de Jovens e Adultos para Supervisores, Coordenadores Pedagógicos, Assistentes de Direção, Professores e Encarregados das Classes PROALFA, assim com representantes de entidades afins para, dentre os vários objetivos: - conhecer a legislação pertinente a este Programa; orientar e padronizar os procedimentos quanto a: competências; instalações de classes; escrituração e documentação da vida escolar; organização curricular, etc. Textos que ilustram esses procedimentos; Legislação consultada. (Sa.110/95).

 

 

2049

 

N1.2.1/3

 

Educação de Adultos - Parâmetros Curriculares Modulares - PROALFA. 1995. 29p.

Proposta dos referidos parâmetros para o Programa Municipal de Alfabetização de Jovens e Adultos. Há uma introdução que elucida sobre o Currículo Pleno do PROALFA na modalidade Suplência I. Em seguida, Quadro Curricular referente a essa modalidade de Ensino. Depois, os objetivos, sendo os principais, possibilitar ao aluno: sentir-se capaz de fazer uma leitura crítica de sua realidade; interagir com a sociedade de modo saudável; compreender as relações entre os homens, as do homem como cidadão na sociedade e sua ligação com a natureza. Seguem-se propostas e sugestões de temas para desenvolver trabalhos nos respectivos Componentes Curriculares. (Sa.121/95).

 

 

2050

 

N1.2.1/4

 

APOIO CURRICULAR. CAPACITAÇÃO INICIAL- PROALFA. 1996. 73p.

Público Alvo: Supervisor e Encarregado das classes do Proalfa nas Drems., Diretores e/ou Ads. e CPs.  Objetivos: Dentre os diversos destacam-se: Conhecer a Legislação sobre o Proalfa; orientar uniformizar procedimentos quanto à formação de convênio, instalação e funcionamento das classes, organização curricular, avaliação, promoção e certificados, escrituração e documentação da vida escolar, etc. Procedimentos. Avaliação do Curso. Bibliografia. (Sa.023/96).

 

 

2051

 

N1.2.1/5

 

APOIO CURRICULAR. PROGRAMA MUNICIPAL DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS – PROALFA. PLANO DE CURSO.1996.16p.

Subsídio que enfoca o Plano de Curso do Proalfa apresentando sua identificação, objetivos, clientela, funcionamento, duração, modalidade e currículo. Os cursos de Suplência I do Proalfa mantidos pela SME seguirão o plano apresentado neste documento. (Sl.001/96).

 

 

2052

 

N1.2.1/6

 

DOT - CAPACITAÇÃO INICIAL - PROALFA- REEDIÇÃO DE SU/ DOTG.

Sa. 026/96. APOIO CURRICULAR. 1997. 72p.

Subsídios para Supervisores Encarregados das DREMs, Diretores, Assistentes de Direção, Coordenadores das Escolas envolvidas, Professores de classe de PROALFA e outros para instalação e implementação do Programa Municipal de Alfabetização de jovens e Adultos. Legislação, Piano de Curso, Capacitação Inicial, Orientações Básicas. (Sa.006/97 Reedição do Sa.023/96).

 

 

2053

 

N1.2.1/7

 

DOT - PARÂMETROS CURRICULARES MODULARES- PROALFA -REEDIÇÃO DE SU/ DOTG. Sa. 121/95-1997. 28p.

Propostas de parâmetros Curriculares Modulares para o Programa Municipal de Alfabetização de jovens e Adultos. Objetivos e conteúdos básicos de cada Componente Curricular do Curso. (Sa.007/97 Reedição Sa.121/95).

 

 

2054

 

N1.2.1/8

 

SME – SUPEME / DOT / DOT 1. PARÂMETROS CURRICULARES MODULARES – PROALFA. 2000. VERSÃO ATUALIZADA, DE ACORDO COM A LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO NACIONAL Nº 9.394/96. 2000. 37p.

Neste trabalho, são enfocados os itens: Níveis de Ensino: Educação de Jovens e Adultos / Movimento de Alfabetização de Jovens e Adultos – Mova.

Trata-se de uma versão atualizada dos Parâmetros Curriculares Modulares – Proalfa, de acordo com a atual LDB nº 9.394/96. Contém os objetivos específicos e as propostas de trabalho dos componentes curriculares (áreas do conhecimento), além da divisão dos mesmos por unidades de estudo.

(Sa.015/00 – reedição do Sa.007/97).

 

 

N1.3 EDUCAÇÃO PROFISSIONAL – ENSINO MÉDIO

 

 

2055

 

N1.3/1

 

Instruções sobre Ferramentas e Utensílios referentes ao Setor de Artes Práticas da Seção de Setores Especiais. 1973. 27p.  (In.001/73).

 

 

2056

 

N1.3/2

 

TÉCNICAS AGRÍCOLAS, INDUSTRIAIS E COMERCIAIS. 1973. 46p.

Orientações quanto à “Organização do Pessoal” e quanto às seguintes práticas: Adubação, Avicultura e Cunicultura.(Sa.006/73).

 

 

2057

 

N1.3/3

 

PROGRAMAÇÕES DE ARTES INDUSTRIAIS, TÉCNICAS COMERCIAIS E TÉCNICAS AGRÍCOLAS - 1973. 25p.

Despertar, nos alunos, o interesse pelas atividades dessas diferentes técnicas, objetivos, noções básicas, métodos e programações.(Sa.007/73).

 

 

2058

 

N1.3/4

 

Projeto de Pré-Profissionalização para alunos de 8ª série. 1981. 13p.

Objetivos: oferecer oportunidade para uma ação mais aberta e integrada na Escola em relação aos problemas da comunidade; atender à legislação educacional vigente, oferecendo aos alunos carentes cursos que favoreçam sua iniciação; informar os alunos sobre condições de ingresso no mercado de trabalho; avaliar os resultados obtidos com o desenvolvimento deste Projeto, tendo em vista a viabilidade de expansão dos cursos a um maior número de Escolas da RME no ano seguinte. Anexo 1 - Informativo sobre o Projeto.

Obs.: Ver também: DO.42/Pj.015/82 e 016/82. (Pj.009/81).

 

 

2059

 

N1.3/5

 

Subprojeto - Capacitação de Recursos Humanos através de Treinamento em Serviço. 1982. 18p.  Anexos de 1 a 11.

Treinamento e Assessoria de Docentes Multiplicadores de Cursos de Pré-Profissionalização.Objetivo: preparar docentes multiplicadores da SME, através de treinamento e assessoria sistemática, tendo em vista a expansão de cursos pré-profissionalizantes para alunos das 8ªs. séries da Rede Municipal de Ensino.Acompanham apostilas sobre orientações administrativas da vida funcional de servidores de empresas.

(Pj.002-1/82).

 

 

2060

 

N1.3/6

 

PROGRAMA DA PRÉ-PROFISSIONALIZAÇÃO.A PRÉ-PROFISSIONALIZAÇÃO NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO. 1982. 93p.

Relatório com a finalidade de informar os profissionais da educação da RME sobre o trabalho realizado junto aos alunos das séries finais do 1º Grau das escolas municipais, para facilitar sua iniciação no mercado de trabalho. Aborda, em dois grandes tópicos: A Pré-Profissionalização no Ensino Municipal e o Desenvolvimento do Programa.Seguem anexos com resultados do Trabalho com Docentes Multiplicadores. (Rt.009/82).

 

 

2061

 

N1.3/7

 

Pré-Profissionalização para Alunos de 8ª série. 1982. 14p.

Objetivos: preparar alunos de 8ª série através de cursos de pré-profissionalização, visando à sua iniciação para o mundo do trabalho.

Ao final do curso, espera-se que os alunos sejam capazes de:

- desempenhar atividades simples nas áreas de: Escritório, Vendas, Higiene, Beleza e Hospitalidade;

- providenciar a documentação necessária para empregar-se;

- comportar-se corretamente na busca de uma colocação;

- comportar-se adequadamente em um local de trabalho.(Pj.015/82).

                        

 

2062

 

N1.3/8

 

Pré-Profissionalização - Projeto de Treinamento e Assessoria de Docentes Multiplicadores. 1982. 13p.

Objetivos: preparar docentes multiplicadores da SME através de treinamento e assessoria sistemática, tendo em vista a expansão de cursos de pré-profissionalização para alunos das 8ªs. séries da RME.

Ao final do treinamento inicial, espera-se que os docentes multiplicadores sejam capazes de utilizar os conhecimentos adquiridos para o desenvolvimento dos cursos de serviços gerais de escritório e que, durante a assessoria sistemática dominem estratégias específicas, bem como metodologia de projetos relacionados ao programa.(Pj.016/82).

 

 

2063

 

N1.3/9

 

Subprojeto - PROGRAMA DE PRÉ-PROFISSIONALIZANTE - 1ª FASE - ORIENTAÇÃO PARA O TRABALHO. 1983. 76p.

Abordagem:: I. Programação; II. Organização das Firmas; III. Planos das Aulas - 15 (quinze); IV. Anexos de 1 a 10 sobre orientações como: Onde Procurar Emprego; O Mercado de Trabalho - Formal e Informal; Curriculum Vitae; Segurança e Higiene no Trabalho; Preenchimento de Certificados, etc. Bibliografia Consultada. Textos de Apoio ao Treinamento de Orientador Educacional.

(Pj.002-01/83).

 

 

2064

 

N1.3/10

 

Pré-Profissionalização. 1983. 03p.

Objetivos: Instrumentalizar Orientadores Educacionais para desenvolver a Programação de Orientação para o trabalho; treinar Docentes da RME. para desenvolver a Programação do Núcleo Pré-Profissionalizante; proporcionar condições para que os alunos possam refletir sobre aspectos ligados ao Homem, ao trabalho e ao trabalhador; preparar alunos para sua iniciação no mundo do trabalho, favorecendo o desempenho de atividades ocupacionais simples. (Pj.019/83).

 

 

2065

 

N1.3/11

 

AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA DE PRÉ-PROFISSIONALIZAÇÃO NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO. 1984. 63p.

Informações que, através deste documento, possam subsidiar uma possível revisão do Programa de Pré-Profissionalização após avaliação direta desse Programa na RME. em 1984, e levantamento de possíveis alternativas de trabalho de acordo com a visão dos profissionais envolvidos em nível de unidade escolar. Espera-se principalmente um melhor atendimento aos alunos trabalhadores. Acompanha: Modelo de Avaliação desse Programa. (Rt.010/84).

 

 

2066

 

N1.3/12

 

ACOMPANHAMENTO DOS ALUNOS QUE CONCLUÍRAM OS CURSOS PRÉ-PROFISSIONALIZANTES. 1987. 19p.

Objetivo: Observar o aproveitamento dos alunos que concluíram os cursos mencionados, nas modalidades: Cursos de Iniciação aos Serviços Gerais de Escritório; Comercialização e Publicidade, que foram ministrados em maio/1987. Procurou-se verificar se os alunos melhor sucedidos nos cursos obtiveram segurança na busca de alguma ocupação remunerada ou crescimento na atividade que já desempenhavam. Acompanha este Relatório uma Síntese do Projeto Pré-Profissionalizante. (Rt.009/87).

 

 

2067

 

N1.3/13

 

Programa de Pré-Profissionalização (Cursos) -Comercialização e Publicidade. 1987.52p.

Material de apoio utilizado no Curso de Comercialização e Publicidade, distribuído em 33 aulas, cujos conteúdos podem ser agrupados em: Porcentagem; História do Comércio - O Comércio no Brasil; Empresa; Documentos; Bens; Pagamento; Compra; Nota Fiscal; Estoque; Recibo; Nota Promissória; Crediário; Personalidade do Vendedor; Comportamento do Consumidor; Propaganda - Lei da Oferta e da Procura; Elementos Promocionais; Análise do Produto; Vendas. (Sa.011/87).

 

 

2068

 

N1.3/14

 

Pré-Profissionalização: Situação Atual da Pré-Profissionalização na RME - Informações para E.M. e EMES. 1987. 2 cadernos.

Documento que apresenta o Programa da Secretaria Municipal de Educação e do Bem-Estar Social, visando à Pré-Profissionalização para o Setor Terciário da Economia, de alunos das séries finais do 1º Grau das escolas que integram a Rede Municipal de Ensino. Modalidades de Cursos: Iniciação aos serviços gerais de escritório; Comercialização e Publicidade; Datilografia e Operação com Microcomputadores e Uso de Aplicativos. (Sa.013/87B). 

 

 

2069

 

N1.3/15

 

Programa de Programa de Pré-Profissionalização - 1ª e 2ª Fases. 1988. 3 cadernos.

Subsídio organizado em forma de três apostilas: I.1ª Fase -Orientação para trabalho; II. 2ª Fase- Comercialização e Publicidade -Uma nova proposta de trabalho; III. “Nosso Banco de Cada Dia” -Recurso Didático ilustrado.(Sa.004/88)

 

 

2070

 

N1.3/16

 

Orientação para o Trabalho - Roteiro para Transparências.1988. 21p.

Material contendo roteiro para apresentação de transparências sobre três temas: “O Homem e o Trabalho”, “Finalidade do Trabalho” e “O Mercado de Trabalho”. (Sa.006/88).

 

 

           2071        

 

N1.3/17

 

APOIO. Iniciação aos Serviços de Escritório. 1993. 36p.

Tem por objetivo geral capacitar professores para reger cursos profissionalizantes no NAE 3. O objetivo específico é o de informar e instrumentalizar professores quanto a Relações Humanas no Trabalho, Legislação Trabalhista e Segurança no Trabalho.Acompanham anexos sobre Legislação Trabalhista e Higiene e Segurança do Trabalho. (Sa.014/93).

 

 

           2072        

 

N1.3/18

 

APOIO. Datilografia por Auto-Instrução- Máquina Mecânica - Apostilas de I a IV. 1993.332p.

Este é um curso que teve por objetivo tornar o aluno capaz de datilografar qualquer texto seguindo o manual de auto-instrução, que consta de 4 partes: memorização das teclas do alfabeto; das teclas de caracteres específicos e utilização da máquina; domínio da velocidade; estética em correspondência comercial e velocidade. Atingir, portanto, destreza, agilidade, rapidez e velocidade. (Sa.022/93).

 

 

              2073      

 

N1.3/19

 

APOIO - Iniciação aos Serviços Gerais de Escritório. 1994. 81p.

O Setor de Ensino Pré-Profissionalizante elaborou o presente subsídio a partir de material básico do SENAC/UNIFORT como instrumento de apoio ao trabalho docente considerando a necessidade de novas adequações ao “Curso de Iniciação aos Serviços Gerais de Escritório”. Esse curso tem como objetivo geral estabelecer conexões entre o Ensino  Fundamental e situações de vida, criando condições para a implantação da Qualidade na Educação.(Sa.026/94). 

 

 

                2074                

 

N1.3/20

 

APOIO - DOT - Pré-Profissionalizante e Ensino Médio. Professores dos Centros Municipais de Ensino Supletivo.

1994. 39p.

O curso dirigido a professores para atuarem no CEMEs, através da sensibilização, predispõe os envolvidos no Projeto para o trabalho em equipe, para uma abordagem pedagógica estimuladora do crescimento contínuo do homem, assim como estimula uma nova postura docente.   (Sa.119/94). 

 

 

                2075                

 

N1.3/21

 

APOIO CURRICUlAR. PRÉ- PROFISSIONALlZANTE.  COMERCIALlZAÇÃO E VENDAS. 1996. 97p.

Público alvo: alunos interessados, matriculados no ciclo final do 1º Grau Regular e na Suplência. Curso que tem por finalidade aplicar, com os alunos participantes, atividades simples do cotidiano dos profissionais que trabalham no comércio e prestação de serviços, tendo por referência a valorização do aprender e do crescer em consciência e conhecimento. Neste único trabalho há os módulos I e II que se referem à parte mais filosófica/teórica e à parte específica/prática desse assunto. (Sa.047/96). 

 

 

                2076                

 

N1.3/22

 

SME – SUPEME / DOT / DOT 1. ENSINO PRÉ-PROFISSIONALIZANTE. COMERCIALIZAÇÃO E VENDAS. 1998. 97p.

O documento  se refere aos seguintes tópicos: Níveis de Ensino: Ensino Pré-Profissionalizante – Comercialização e Vendas / Capacitação / Treinamento / Cursos. O curso de Comercialização e Vendas está fundamentado numa proposta mais ampla que aborda a educação e a iniciação ao trabalho sob a perspectiva de totalidade do ser humano. (Sa.008/98). 

 

 

                2077                

 

N1.3/23

 

SME – SUPEME / DOT / DOT 1. COMERCIALIZAÇÃO E VENDAS. CADERNO DE EXERCÍCIOS. 1998. 57p.

Este trabalho diz respeito a Níveis de Ensino: Ensino Pré-Profissionalizante / Comercialização e Vendas / Caderno de Exercícios. (Sa.015/98). 

 

 

N1.3.1 Habilitação Específica de 2º Grau – Magistério

Habilitação Específica de Segundo Grau – Magistério (HEM)/

Estágio Supervisionado

 

 

                2078                

 

N1.3.1/1

 

FORMAÇÃO ESPECIAL PARA O MAGISTÉRIO - RELATÓRIO PRELIMINAR: 1º AO 4º TRIMESTRE DE 1990 E JANEIRO/91. 1990. 04 CADERNOS.

Registro do desenvolvimento (desde a parte teórica até a concretização) do Projeto referente à Formação Especial para o Magistério, elaborado pela Divisão de Orientação Técnica de Educação de Adultos - EDA da DOT de CONAE, com os elementos organizadores do projeto em questão.(Rt.004/90)

 

 

                2079                

 

N1.3.1/2

 

FORMAÇÃO ESPECIAL PARA O MAGISTÉRIO - RELATÓRIO PRELIMINAR: 5º TRIMESTRE (DE FEVEREIRO A ABRIL/91) E 6º TRIMESTRE

(DE MAIO A JULHO/91). 1991. 2 CADERNOS.

5º trimestre: Registro dos processos pedagógico e administrativo que vêm se desenvolvendo no Projeto de Formação Especial para o Magistério.

Acompanham, em anexo, orientações básicas sobre Avaliação das Turmas Especiais de Habilitação para o Magistério e Boletim Informativo.

6º trimestre: Relato de Professores-Coordenadores das Turmas anteriormente citadas, procurando colocar, em síntese, o significado dessa experiência pedagógica e decisões pedagógico-administrativas do Grupo Coordenador durante esse período.(Rt.001/91).

 

 

                2080                

 

N1.3.1/3

 

FORMAÇÃO ESPECIAL PARA O MAGISTÉRIO - RELATÓRIO FINAL: TURMA REMANESCENTE DE SÃO PAULO E TURMAS DE DIADEMA. 1992. 80p.

Registro das atividades desenvolvidas no semestre: Agosto-Dezembro/91 referentes a casos específicos de determinado número de alunos pertencentes às turmas acima mencionadas, que por vários motivos não puderam completar o curso no período regular. Formação Especial para o Magistério - Relatório Final. 1992. 95p. . Breve histórico do Projeto Magistério.

Apresentação das dificuldades e progressos no desenrolar da aplicação do Projeto na RME.. Características dos educadores de adultos que foram os alunos do curso. Conclusões. Acompanham Anexos e Gráficos, com dados sobre legislação e dados numéricos.(Rt.004/92). 

 

 

                2081                

 

N1.3.1/4

 

RELATÓRIO DO 1º SEMESTRE DAS TURMAS DE FORMAÇÃO ESPECIAL PARA O MAGISTÉRIO DE 1992  – 1992. 35P.

Detalhamento da organização e funcionamento das turmas e da Coordenação Geral do Projeto Magistério; relato do trabalho pedagógico em andamento nas turmas existentes naquele período.

Acompanham Anexos contendo informações administrativas para viabilização de formar novas turmas nesse Projeto; Avaliação das turmas e legislação.

 

Relatório Final das Turmas de Formação Especial para o Magistério de 1992. 1992. 30p.

Apresenta preocupações e reflexões sobre os temas propostos nesse Projeto, as decisões administrativas e o desenvolvimento de atividades. (Rt.005/92).

 

 

                2082                

 

 

 

 

 

 

N1.3.1/5

 

Formação Especial para o Magistério: uma Experiência Pedagógica na  Rede Municipal de Ensino. 1989/1992. 57p.

Documento que relata o trabalho desenvolvido com as Turmas Especiais de Habilitação Profissional Específica de 2º Grau para o Magistério a Monitores de Educação de Adultos, com o objetivo de apresentar os avanços e as dificuldades encontradas durante o desenvolvimento do Projeto Magistério, implantado pela SME em 1990. (SME).

 

                2083                

 

N1.3.1/6

 

Cadernos de Formação - Projeto Magistério: As Monografias dos Alunos das “Turmas Especiais de Habilitação Específica a Monitores de Educação de Adultos”. Série - Construindo a Educação do Jovem e Adulto Trabalhador. 1992. 107p.

Contém quatro, das vinte e três monografias apresentadas ao final do Curso acima mencionado, selecionadas conforme critérios estabelecidos tanto pelos monitores e alunos, como pelos professores - coordenadores das respectivas turmas. São elas: “A Estrutura Escolar”; “Discriminação Racial na Escola”; “A Língua age através da Linguagem” e “O Ensino da Matemática na Educação de Adultos”. (Sa.007/92).

 

 

                2084                

 

N1.3.1/7

 

APOIO - Capacitação de Professores de Habilitação Específica em Magistério - Professores para o Século XXI. 1994. 35p.

Encontro de Professores com Licenciatura Plena para exercerem docência no Curso de Habilitação Específica em Magistério conscientizando-os da importância do referido curso tendo em vista a Educação nas próximas décadas. Procura, ainda, dar condições aos professores de construírem um Plano de Ensino visando à melhoria da Qualidade em Educação e uma aplicação do curso de Habilitação Específica em Magistério. (Sa.118/94).

 

 

             2085        

 

N1.3.1/8

 

Educação de Adultos. Projeto de Revitalização da Habilitação Específica de 2º Grau para o Magistério - HEM. 1995. 38p.

Este documento procura explicar os aspectos mais significativos da proposta política de SME que tem como uma de suas prioridades melhorar a qualidade do ensino fundamental. Procura apontar algumas diretrizes que poderão subsidiar a efetiva implantação dessa proposta. (Sa.059/95).

 

 

             2086        

 

N1.3.1/9

 

Educação de Adultos. Subsidiando a Ação Pedagógica da Habilitação Específica de 1­º Grau para o Magistério - HEM.

1995. 18p.

O encontro, dirigido a Supervisores, Diretores, C.Ps., e Professores da HEM, tem o propósito de empreender uma tarefa coletiva, seja no sentido de pensar conjuntamente as questões de cada componente curricular, seja no sentido de construir coletivamente e, em processo, o projeto pedagógico propriamente dito, em níveis cada vez mais concretos. (Sa.060/95).

 

             2087        

 

N1.3.1/10

 

CURRÍCULOS E PROGRAMAS. PROJETO DA REVITALlZAÇÃO DA HABILlTAÇÃO MAGISTÉRIO. COLETÂNEA-"OS MITOS DA APRENDIZAGEM". 1996. 203 p.

Assunto pertinente ao Programa de Capacitação Continuada para os professores do curso da EM nas horas de trabalho pedagógico coletivo nas

escolas. Objetivos: refletir sobre o papel e a responsabilidade dos Professores principalmente na parte de Psicologia; esclarecer as explicações tradicionais quanto ao fracasso escolar; desnutrição; incapacidade cognitiva; a família desestruturada. Conteúdo trabalhado. Metodologia. Textos de Apoio. (Sa.032/96).

 

 

             2088        

 

N1.3.1/11

 

REFLEXÃO SOBRE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 1996. 13 p.

Subsídio que inicia apresentando definição de Estágio Supervisionado, sua estrutura, realização e organização (desempenho em nível de Delegacia de Ensino, Diretor de Escola, Coordenador Pedagógico, Supervisor de Estágio, Professores da parte da Formação Especial da Habilitação para a Magistério.(Sa.052/96).

 

             2089        

 

N1.3.1/12

 

CURRÍCULOS E PROGRAMAS. PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DA HABILITAÇÃO ESPECÍFICA DE 2° GRAU. HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO.

1996. 30p.

Este documento tem a finalidade de subsidiar as Escolas de 2° Grau da RME na operacionalização do Projeto de Revitalização da Habilitação Específica de 2° Grau para o Magistério - HEM, servindo de apoio às discussões da equipe escolar na construção do projeto pedagógico de cada componente curricular, inserindo num projeto maior do Curso. (Sa.067/96).

 

             2090        

 

N1.3.1/13

 

CURRÍCULOS E PROGRAMAS. PROJETOS DE REVITALIZAÇÃO DA HABILITAÇÃO DE 2° GRAU PARA 0 MAGISTÉRIO. FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO. 1996. 28p.

A proposta de trabalho com o componente Filosofia da Educação deverá trazer alguns subsídios para que os alunos do Curso de Formação do Magistério desenvolvam uma experiência de reflexão filosófica sobre seu campo de formação e de futura atuação profissional. O referido projeto objetiva, ainda, abrir espaço para o aperfeiçoamento e troca de experiências entre os docentes, assim como permitir a discussão sobre os problemas e dificuldades concretas que o professor enfrentar no seu dia-a-dia. (Sa.072/96)